Grupal (79)


A MINHA FAMÍLIA SÓ TEM PUTAS

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

Nossas esposas, filhas, sobrinhas, irmãs…tudo são putas, que só fodem com os machos da família.
Minha esposa e filha já foram fodidas por meus irmão e já fodi as esposas e filhas deles e também minhas irmãs.
Fazemos festas de orgia na minha casa para os machos tarados foderem nossas mulheres putas.
Na hora da putaria todas as putas ficam nuas e o machos de pau duro, procurando bucêtas sedentas para fudê-las.
Ninguém é de ninguém; é pai fudendo filha, irmão fudendo irmã, tio fudendo sobrinha e até filho fudendo a mãe.
Depois de muitas roladas e esporradas no rabo das nossas putas, o cheiro de espema se espalha pela casa enquanto elas de desmancham em porra.
Depois de examinar a bucêta e cu delas, descobriram que minha filha foi a mais fodida e a que engoliu esperma pela boca, pela buce e pelo cu; e ela foi eleita por todos como "A PUTA DA FAMILIA" .
Com muito orgulho a fodi na frente de todos sob aplausos.
Empolgada minha esposa pediu para que todos comessem o cu dela…

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



Fodendo com três machos

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

Ultimamente estou descobrindo os prazeres das putarias particulares, estou achando muito melhor que casas de swing, quando a companhia é boa (e eu tive sorte até o momento) é gostoso curtir com mais calma, dar uma, duas, três.

Estou caminhando aos poucos para um gang bang, e essa semana fiz uma putaria 3 homens, não repetir que o relato é real mas os nomes são fictícios e talvez a ordem das coisas esteja confusa.

Faz mais ou menos um mês que recebi um convite para o site muito famoso e exclusivo para swing e já conheci alguns amigos por lá, todos singles masculinos que são sempre mais bonitos que os homens dos casais e nem um pouco egoístas, já fiz uns ménages e em um desses ménages conheci o Beto, forte, cabeça raspada, branquinho com umas tatuagens lindas , mete muito e tem diversos amigos na putaria.

Ele que me ajudou na minha vontade e disse que marcaria com quantos homens eu quisesse, como sou uma pessoa humilde quis só três (por enquanto).
Beto e Julio me buscaram e fomos para o apartamento que ele tem com os amigos exclusivo para putaria, isso também é legal, pois fico menos exposta entrando em um lugar “normal”.
Eu não conhecia o Julio, mas gostei do que vi logo de cara, o corpo magro e bonito, e bonito de rosto também, cara de menino e quando me viu disse que eu era realmente tudo que o Beto falou e mais, já fiquei com tesão.

Os dois me mostraram o apartamento que tem uma sala grande e dois quartos , já fiquei imaginando que dava para colocar bastante gente ali, o Enzo ligou avisando que estava atrasado mas que não era para começarem sem ele, eu não estava querendo esperar e já comecei a me agarrar com os dois.
Beto foi arrancando minha roupa e ficava me exibindo para o Julio, começou a me beijar enquanto eu estava de calcinha e blusa e o Julio veio por trás me encoxando e me dando umas mordidas no pescoço, ajoelhei entre os dois e comecei a alternar chupando os dois paus, Beto me colocou no sofá e ficou me chupando enquanto o Julio me dava o pau para chupar, depois Beto me virou de quatro e continuou me chupando e eu chupando o Julio, Beto disse colocou a camisinha e veio me comer de quatro (disse que só um pouquinho enquanto Enzo não chegava rs) estava louca para sentir aquele pau e já estava quase gozando quando o Enzo chegou, falou que queria me dar um beijo mesmo que eu estivesse chupando o pau do outro cara rs, nos últimos ménages que fiz reparei que quando o cara gosta mesmo não fica se importando onde estava minha boca ou quem estava me comendo.

Ele já foi tirando a roupa também e me agarrando, fomos para o quarto os três, Julio começou a me comer de quatro enquanto eu chupava o Enzo e aí ele falou que queria me comer também, quando vi o pau dele duro disse que não ia comer meu cuzinho nem a pau, não que os outros dois fossem pequenos, mas o dele era grosso.

Falei para o Beto que queria sentar no pau dele, ele tem o formato perfeito para me fazer gozar e eu estava realmente precisando rs, não deu outra, sentei no pau dele e comecei a cavalgar, os outros dois se revezando para eu chupar, gozei gostoso com o pau nem sei de quem na minha boca e continuei no pau do Beto mexendo devagarinho.

Beto falou para fazermos uma dp vaginal, eu nunca tinha pensado em fazer isso até pouco tempo atrás mas já tinha tentado em outro ménage sem sucesso, Beto continuou por baixo e o Enzo veio por tras colocando o pau bem devagarinho na minha buceta, e eu quase desistindo e eles todos calmos, Enzo dizendo que era single criado pela Nasa que sabia o que estava fazendo e o Beto me beijando, aí foi… doeu um pouco mas a sensação foi humm… como posso dizer… não sei explicar… obvio que os movimentos tem que ser bem contidos mas é ótimo rs

Logo pedi para pararem e falei para o Beto que queria que ele comesse meu cuzinho e ele saiu quase pulando debaixo de mim rs, como sempre não foi fácil ele me colocou de ladinho e teve paciência e logo eu que estava pedindo para colocar mais , fiquei de quatro com o Beto encaixado em mim e então o Enzo se enfiou por baixo e partimos para a dp “normal” e aí aquele espetáculo, os dois dentro de mim e o Julio ainda vinha do lado para eu chupar, pedi para ele para registrar o momento para depois eu colocar as fotos no blog…

Beto que estava dominando os movimentos e eu só curtindo os dois dentro de mim, os dois ficaram me comendo por muito tempo, achei que o Enzo ia acabar pedindo para parar por causa do peso em cima dele, mas que nada, como ele mesmo disse um single criado em laboratório rs, gozei gostoso com os dois dentro de mim.

Assim que o Beto saiu de cima de mim virei para o lado exausta rs, e aí lembrei do Julio, ele merecia também né, disse para ele me dar só um tempinho, mas o Enzo não queria dar tempinho, veio deitar atrás de mim e não é que comeu meu cuzinho também? Mas foi pouco tempo, logo pedi para parar.
Tomei um banho rápido e voltei para o quarto, encontrei Julio de pau duro me esperando, mas eu disse que não ia aguentar ficar por cima, ele me colocou de quatro e me comeu bem gostoso mordendo minha nuca, logo gozou e aí o Enzo me esperando, aí eu já tinha me animado e sentei no pau dele, cavalguei bastante e aí ele gozou também e precisava ir embora, ficamos novamente eu, Julio e Beto.

Beto tinha entrado no banho e fui atrás dele, continuava de pau duro, nem sei se tinha gozado antes ou não porque sei que se recupera rápido, voltamos para a sala e ele pediu para o Julio ficar registrando e me comeu em todas as posições possíveis, inclusive comigo no colo em pé, gozou e daí foi tomar outro banho e o Julio já tinha tomado banho e se vestido, eu coloquei a calcinha e o Beto pediu para tirar mais umas fotos de calcinha, ele ainda estava pelado e o pau começou a ficar duro de novo, pois é… não tinha acabado… falou que queria brincar só mais um pouquinho e eu prontamente sentei naquele pau de novo e calvaguei até gozar e ele gozou de novo em seguida.

Aí sim tinha acabado, banho e bora todo mundo

Meu blog onde tem umas fotinhos e mais relatos: http://lilithswing.blogspot.com.br/

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



HERANÇA PATERNA E PAIXÃO

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

Olá, queridas e queridos! Agradeço de coração a maneira e o carinho que fui recebida aqui no site e a repercussão do meu primeiro conto, o que serve de incentivo para continuar relatando as minhas aventuras. Espero estar correspondendo às expectativas de todos.

Perdi meu pai vítima de acidente automobilístico há 20 anos e por ser a única filha (por sinal, a mais velha entre três irmãos), além de ser muito apegada a ele senti demais a perda. A minha mãe assumiu as rédeas da família graças ao patrimônio que meu pai deixou de herança… Falando em herança, outro legado que ele nos deixou foi a paixão pelo futebol, em especial o amor pelo nosso time de coração, o Clube Atlético Mineiro. Desde criança eu frequento os jogos do Galo em Belo Horizonte, tanto no Mineirão como no Estádio Independência. Sou tão fanática pelo meu time que só pra terem uma idéia, fui em todos os jogos aqui em Minas na campanha do título da Libertadores de 2013; é sobre este jogo decisivo que tive uma experiência deliciosa e conto a partir de agora.

Quarta-feira, 24 de julho de 2013. Imaginem um estádio com quase sessenta mil pessoas, a grande maioria empurrando o time da casa numa decisão histórica? Pois é, uma sensação indescritível, animalesca e emocionante. Desde a adolescência, eu e Sabrina andamos agarradas e, assim como eu, atleticana roxa. Eu e ela fomos ao jogo acompanhadas de dois amigos da época de ensino médio, o Rafael e o Ramon; inclusive nós quatro protagonizamos cenas quentes e deliciosas de sexo em tempos passados, no período da faculdade de administração, durante e após à partida que fomos assistir entre o Atlético-MG e o Olimpia, do Paraguai.

Enfim, o juiz autoriza a saída de bola. Jogo nervoso. O Galo precisando de fazer dois gols no mínimo para o jogo ter prorrogação. O nervosismo tomava conta de cada um presente, acho que perdi praticamente as minhas unhas de tanto roer, rsrs… Rafael ao meu lado na arquibancada e Ramon ao lado de Sabrina, tentando conter nossa tensão alisando a cintura e sutilmente subindo a mão, encostando por baixo dos seios. São esses tipos de contatos que me deixam excitada rapidamente, mas devido ao grande público não poderia me manifestar e nem retribuir, que raiva.

O primeiro tempo terminou em 0 a 0. Eu, Sabrina e os meninos conversávamos a respeito do que aconteceu no período, mencionando até as bolinadas “involuntárias” que recebíamos dos dois tarados.

– Vocês são dois safadinhos! Aproveitando o nosso nervosismo da partida pra passarem a mão na gente… E a vadia da Sabrina só faltou arreganhar as pernas pro Ramon…

– Credo, amiga! Não vai me dizer que não ficou excitada com o Rafael apertando os seus peitos né?

– É, mas aqui no estádio e com a televisão mostrando… Fica tenso, tá?

Até então calados e ouvindo a nossa prosa, os rapazes começaram a rir e olharam entre si como se estivessem planejando alguma putaria conosco, fato perceptível aos meus olhos e da safada da Sabrina, que começou a lamber os beiços de desejo.

Começou o segundo tempo. Será que iríamos ter a mesma tensão que no primeiro? Sorte nossa que a 1 minuto o Mineirão balançou! Gol de Jô, fazendo 1 a 0 para nós. Na comemoração pulamos, gritamos e como não poderia deixar de ser, o Rafael me deu uma encoxada forte e deliciosa, fazendo-me sentir o seu membro duro me roçando a bunda. Safada como sou, dei uma rebolada na pica dele e me sentei rapidinho como se nada tivesse acontecido.

Meu coração quase saiu pela boca quando o jogador deles driblou “São” Victor e ia sozinho pra empatar a partida. Sorte nossa que o desastrado escorregou e perdeu a chance. O estádio explodiu de vez quando Bernard cruzou da direita e o nosso zagueirão Leonardo Silva subiu de cabeça para marcar o segundo gol do Galo: comemoração intensa, não me contive e dei um beijaço de língua no Rafael… Ramon apertou a Sabrina pela cintura e lhe lambeu a orelha, que delícia!

Acabou o segundo tempo e o jogo foi para a prorrogação, mais trinta minutos de aflição… Quando pensei que ia comemorar mais um gol, o Réver me acerta o travessão com uma cabeçada! Já no finalzinho, Alecsandro perde grande chance. Estava cara a cara com o goleiro e tentou uma cavadinha ao invés de dar um chutão pro gol.

Mais tensão agora. Disputa de pênaltis. Ficamos os quatro abraçados como se fizéssemos uma corrente e gritando “eu acredito” juntamente com a torcida. Victor pega a primeira cobrança. Delírio no estádio. Outros jogadores foram marcando até que o último deles da série chutou na trave. Êxtase total! O título é nosso! Comemoração dentro de campo e nas arquibancadas. Eu, Sabrina e os rapazes ficamos até a entrega dos prêmios aos jogadores e assim, com muita dificuldade conseguimos sair do Mineirão.

Entramos no carro do Rafael e fomos direto para o apartamento dele e enfim iniciarmos a nossa “festa”. Ficamos as duas na sala enquanto os rapazes foram buscar as bebidas. Quando retornaram eles encontraram a Sabrina sentada no meu colo de frente pra mim e a blusa levantada com um dos seios na minha boca, que estava mamando deliciosamente. Eles de imediato abriram as cervejas e foram derramando aos poucos nos nossos corpos, dizendo que iriam beber na gente. Ramon levou a Sabrina para o chão e Rafael foi me despindo até eu ficar totalmente nua. Começou me beijando o pescoço, mamando os meus seios e descendo até a minha buceta toda lisinha e molhada, caindo de língua chupando e mordendo… o safado sabia muito bem o que estava fazendo. Sugava o meu grelo e metia dois dedos na minha buceta, deixando-me enlouquecida… Em pouco tempo tive o meu primeiro orgasmo. No outro sofá a Sabrina estava cavalgando no cacete do Ramon, quicando feito louca.

Deitei o Rafael no nosso sofá e caí de boca na sua vara. Mamei gostoso naquela ferramenta de prazer, que devia ter mais ou menos uns 20, 21 centímetros… Babei toda a extensão daquela vara e descendo até as bolas, chupando o seu saco e o punhetando. Rafael se levantou, colocou-me de quatro e encapou o caralho com a camisinha, enfiando-me buceta adentro de uma vez só! Senti um princípio de dor com a estocada, mas fui me acostumando aos poucos, rebolando naquela jeba maravilhosa.

Enquanto estava sendo comida pelo Rafael, Sabrina estava gozando na vara do Ramon; o mesmo se afastou dela e veio ao nosso encontro; ele colocou outra camisinha em seu pau e sentando-se no sofá me chamou ao seu colo. Desengatei de Rafael e sentei de frente pro Ramon, descendo aos poucos no seu cacete, quase do mesmo tamanho do Rafael, porém um pouco mais grosso. Comecei a cavalgar a sua vara e depois de um tempo senti uma língua me lambendo o cu: era a Sabrina, preparando o meu buraquinho para Rafael, que foi encaixando atrás e empurrando gradativamente… Parecia que os dois agiam em sincronia, alternando nas metidas e eu entupida por dois cacetões numa dupla penetração deliciosa. Fui comida de todas as formas, gozando copiosamente com dois caralhos encravados. Em seguida, os rapazes repetiram a dose com a Sabrina, arregaçando-a toda.

Fiquei me masturbando com a cena dela sendo empalada pelos dois, até que Ramon deixou os dois metendo e veio até a mim querendo meter no meu rabo novamente. Fui por cima e desci com o cu na sua vara até o batente, subindo e descendo… Amo dar o cu e dessa forma sinto o cacete todo dentro; começo a mastigar a vara deixando o Ramon louco, dizendo que vai gozar… Imediatamente saí de cima e tirando a camisinha meto o seu pau na boca, quase engasgando com o seu gozo; mesmo escorrendo pelos cantos da boca, não deixo escapar nada! Enquanto isso, Rafael tirou a camisinha do pau dele e tornou a enfiar no cu da Sabrina, enchendo-o de esperma. A safada abrindo o rabo esfolado e a porra escorrendo pelas suas coxas. Não perdi tempo: fui até ela e lambi o gozo escorrendo, desde as pernas e chegando ao seu cu arregaçado, limpando ele todo com a língua, que delícia!

A nossa “comemoração” se estendeu pela madrugada, com muita cerveja, vinho e sexo intenso… Eu e Sabrina saímos do apartamento de Rafael arregaçadas, sem podermos sentar direito, rsrs… Mas foi ótimo. Atlético e sexo são tudo de bom e eu gosto muito!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



Me realizei no casamento

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

Oi este é meu primeiro conto aqui. E estou usando a conta do meu maridinho lindo pra isso. Eu fico meio tímida contando mas primeiro vou falar como somos pra depois falar do conto ok? Eu e ele somos um casal jovem temos ambos 25. Eu sou loirinha com o cabelo longo quase até a cintura. Tenho seios médios para grandes mas meu bumbum é de médio para pequeno mesmo.

Já ele é meio gordinho devido a preguiça, mas eu até gosto. Ele é muito sociável e isso me incomodava antes do dia do conto. Sempre fui puritana e isso me faz ter muito ciumes até que passamos a sair um casal da mesma idade que nós. Ele amigão deles e eu meio deslocada. Mas o tempo passou e eu fui me soltando e me identifiquei muito com a colega do meu marido.

Passamos a trocar confidências e coisa e tal. Ela sempre defendeu meu marido dizendo que ele tá comigo porque quer e não por obrigação então não era pra eu ter medo dele ficar saindo com outras.
Fiquei uma fera! E ela falou que isso era bobeira. Que ao invés de eu impedir ele de ser feliz era melhor eu ser feliz com ele!
– Perguntei como ela sabia tanto do meu marido, e ela falou que antes do atual marido dela ele era o pau amigo dela. Fiquei chocada! Muito triste pelo fato de todo mundo esconder de mim isso.

Cheguei em casa e descontei tudo nele. Ele se desculpou falou que nunca tinha achado a hora certa de falar, pois sabia que eu ia ficar furiosa. Perguntou se eu queria algo em troca. Eu disse:
– Uma viagem! Quero viajar com você!
Ele adorou a ideia e chamou a ex xota amiga dele e o marido dela.

Chegou o dia da viagem e pegamos um quarto para cada casal. Mas a recepção do hotel reservou errado. E colocou nos 4 no mesmo quarto. O quarto era super espaçoso com hidro, sauna reservada e o escambau. Pensei comigo mesma. Aff nem vou meter com meu marido com eles dois aqui.

Passeamos muito pela cidade e curtimos os 4. E lá pras uma da manhã voltamos super bêbadas junto de nossos cônjuges. E ao entrar no banheiro com a Juliana ela me tasca um beijo daqueles que é impossível escapar.

Eu meio aturdida pela álcool e pelo beijo correspondi. Ela foi tirando minha roupa me deixando de calcinha e sutiã e pra piorar eu tava mega molhada de tesão. Nunca tinha sentido aquilo, aquela boca carnudinha e delicada nos meus lábios era uma delicia (Só de lembrar eu me molho toda). Ela colocou a mão por cima da minha calcinha e falou no meu ouvido que eu ia aprender hoje que era ter prazer. Com suavidade e sensualidade ela me beijou e acariciou meu grelinho. Quando viu que eu tava delirando de prazer ela tirou minha calcinha colocou toda aberta na pia e me chupou divinamente até gozar. Depois tomamos banhos e saímos.

Encontramos nossos maridos no bar do hotel bebendo com uma menina morena de olhos cor de mel. Quando cheguei fiz pose de durona e juliana me impediu dizendo que eu tinha errado pois eu trai ele com ela agora pouco. E ele tinha direito de comer e gozar também. Persuadida eu deixei rolar. E vi que ele se despediu da garota e veio em nossa direção falando que queria ir pro quarto e o marido da minha amiga veio também.

Meu marido ligou a TV. Mas eu tava estranha eu tinha sido chupada por outra garota e tinha sido ótimo. Mas antes de eu pensar em como abordar isso a Juliana maldita fala tudo que rolou no banheiro.
Achei que o brother ia ficar muito bravo. Mas ele apenas sorriu e disse já que é assim, hoje você vai experimentar o inverso. Ele levanta e agarra a Juliana pelo quadril levanta ela e tasca um beijo molhado e demorado. Fiquei mole com aquilo. Estranho mas eu gozei olhando eles dois. O marido da juliana sacou a piroca pra fora e começou a se masturbar e eu percebi que não era a única adorando a cena. Ver meu marido agarrando ela beijando ela com paixão desejo. Eu comecei a me tocar quando meu marido sacou sua pica pra fora e ela como uma loba começou a devorá-la como se aquela fosse a ultima do planeta. O marido dela chegou mais perto e ela começou a revesar entre os dois. Hora e outra ela enfiava os dois na boca até escorrer baba pela cama.

Ela tirou a roupa e me puxou pro meio falando que era hoje o dia da iniciação no grupo. Não notei quem tirou a minha roupa.

Quando dei por mim estava levando estocadas na buceta pelo marido da minha amiga enquanto trocava caricias com ela e meu marido lhe rasgando a chana. Ela gemeu, gritou e gemeu assim como eu. Nos não eramos mais uma dupla e sim um quarteto sentindo prazeres tão diferentes e tão gostosos que meu preconceito não me deixou ver antes. Dormimos os 4 na mesma cama depois de gozarmos muito.
Foi uma noite memorável. Depois desse dia estou bem mais aberta. Sempre marcamos os 4. E é sempre muito prazeroso.

Obrigado por lerem meu relato.
Depois eu conto como fizemos minha primeira Dupla penetração.
Beijos!!!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



delirio

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

o pau estava atolado ate o talo no cu de marli ,que sentia os pentelhos do negro esfregar em sua bunda.ela subia e descia no cassete as veses rebolando em movimentos circulares . os olhos semi cerrados respiraçao ofegante sentia seus fluidos escorrerem da sua buceta escorrendo pelo rego lubrificando o pau que estava socado no seu cu. o goso era eminente marli sentia pequenas descargas eletricas que percorriam seu corpo deixando todos seus pelos arrepiados .uivou como uma cadela quando outro macho ajoelhado sobre uma perna sobrepos a outra em forma de um ele e de frente penetrou sua buceta numa dp maravilhosa .socando fundo quase atigindo seu utero com estocads profundas rapidas oque a levava ao delirio enibriagada de luxuria marli gozou copiosamente sem definir de qual buraco vinha seu orgasmo. olhou em volta emtranze suplicando para que alguem colocasse um falo em sua boca e quando foi atendida degustou alucinada pica entre seus labios e possesa suplicava para que esporreacem dentro dela em todos seus orificios

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



Esposa submissa. (final)

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

Eu ainda estava no banho quando ouvi vozes na sala, ambas conhecidas.
Terminei meu banho rápido, me enrolei na toalha e saí já com meu marido na porta do quarto.
-Ela não ia embora?
– Ía… mas não sei o que aconteceu, ela resolveu ficar.
– Ah, tudo bem…
– E aí, como foi?
– Sério mesmo que você quer que eu conte? -ergui uma sobrancelha enquanto olhava Wagner se perder em pensamentos.
– Na verdade, eu queria ver, não ouvir contar. Foi bom?
– Wagner, não transamos, só nos masturbamos.
– Que bom! -dei um suspiro de alívio, finalmente meu marido tinha voltado a sanidade e a ser o homem ciumento que conheci. -Assim ainda tenho a oportunidade de ver.
– Sinceramente, você perdeu o juízo! devo ser submissa a você, mas acho que essa loucura já tá indo longe demais, não quero levar isso adiante.
– Eu não quero que faça porque eu mandei, quero que faça porque sei que lá no fundo, você também quer.
Ele estava certo, algo no meu íntimo queria muito.
– Sim, é excitante, não nego, mas existem fantasias que devem ser sempre apenas fantasias. -denserolei a toalha e o agarrei completamente nua.- E agora com a Márcia de volta, será impossível.
Ele alisava meu corpo nu e eu sentia seu pau ficando duro.
– Olha o que você faz comigo!
Abri o botão da bermuda e enfiei minha mão, apertando aquela vara que eu tanto adoro, ele gemia baixinho no meu ouvido…
– Sente como tá lisinha! -disse eu, rebolando e esfregando a buceta no pau dele já pra fora da bermuda.
Ele me empurou e cai na cama… me virou de costas e me pois de quatro… meteu o pau com tudo na minha xana.
– Sente como tá duro, cachorra!
Soltei um gemido…
– Então vai, gostoso! mete forte, vai!
Não precisei repetir…Wagner bombava forte…como nunca tinha feito… era tão gostoso…
Eu gemia e rebolava… senti a dor de um tapa na bunda.
– Isso aqui é pra você aprender a não questionar! – deu outro tapa. – Quando eu digo que vai ser puta, vai ser puta!
Meu marido nunca tinha me batido antes, e eu gostei, aqueles tapas me excitavam, me faziam sentir uma puta, a puta dele, acima de tudo, me faziam sentir que pela primeira vez não estávamos fazendo amor, estávamos fudendo… e era muito gostoso.
– Bate mais, filho da puta! Eu vou gozar!
Ele bateu.
Me puxou pelos cabelos contra os quadris dele e enterrou de vez, todinha, aquela rola enorme dentro de mim… vi estrelas.
Caí desfalecida na cama enquanto via Márcia que olhava pela porta entreaberta, se afastar lentamente afim de não notarmos que ela tinha visto toda a cena…

Era noite e estávamos os quatro jogando pôquer (eu jogo, muito, muito mal), estávamos apostando doses de vodka e naquele momento já estávamos meio altos.
– Eu não quero beber mais, tô ficando tonta. -disse a eles.
– Mas já vamos parar? -resmungou George.
– A gente pode apostar outra coisa, chega de cachaça!
– Micos, dinheiro, comida…-disse Wagner, com o expressão vazia.
– Streep pôquer, quem perder tira uma peça de roupa. – sugeriu Márcia, surpreendendo a todos.
Depois de algumas queixas minhas, por fim concordei.
Continuamos jogando (e bebendo) até o ponto em que todos estávamos nus.
– E agora? -perguntei eu. – Não tem mais nada pra tirar.
Márcia colocou a mão no baralho.
– Última, nós duas, quem perder chupa a outra.
Eu já tava bêbada demais pra discordar e topei.
Perdi.
Márcia abriu as pernas e vi aquela buceta rosada, lisinha… não sei se era o álcool, mas apesar de nunca ter tido desejos por mulher, naquele momento estava loquinha pra sentir o gosto dela, e a minha buceta também foi ficando molhadinha.
Não pensei muito, fiquei de quatro no chão, coloquei a cabeça entre as pernas de Márcia e comecei a passar a língua naquele grelo inchado… ela se contorceu de tesão…dei uma chupada forte…enfiei dois dedos e comecei a socar enquanto lambia.
– Aí que delícia, Jas, continua!
Meu marido e George punhetavam-se freneticamente e pareciam em estado de transe ao nos assistir.
– Vão ficar parados aí? -disse ela. -deixa eu chupar sua piroca, Wagner?
– Toma, cadela, mama vai!
Via a vara dele entrar e sair da boca de Márcia, até hoje não sei como ela fazia pra colocar inteira na boca sem engasgar.
Márcia gemia e se contorcia na minha boca, Wagner gemia e se contorcia na boca de Márcia, e George começou a pincelar a entrada da minha xana com o pau… aquilo estava me deixando com um tesão que jamais senti…
-Mete logo esse pau, mete!
Ele foi metendo aos poucos, eu sentia a rola dele me rasgando, me alargando, pois era muito mais grossa que a do meu marido, aquilo me deu um prazer, que nem em 300 páginas de conto, conseguiria descrever.
Eu rebolava, gemia…meu corpo inteiro se arrepiou e Márcia gozou na minha boca.
Virei de frente para George e coloquei os pés no pescoço dele, queria sentir aquele pau gostoso dentro de mim, todinho.
Ele alternava com força e devagarinho.
– Vai gostoso, vai…vai…vai…
Ouvi Wagner gozar na boca de Márcia.
Senti o pau do George inchar ainda mais dentro de mim…. gozamos juntos.
Márcia veio até ele para lamber o restinho de porra, puxei-a pelos cabelos.
– Você vai beber a porra dele daqui, da minha buceta. Sabe que nada nesse mundo é de graça, né?
Ela ficou de quatro e começou a lamber, ao que Wagner veio por trás e começou a socar a vara dentro dela e eu a chupar George…
Gozamos muito aquela noite.

Márcia e George superaram a crise apos essa noite, Wagner e eu continuamos juntos e felizes… Ah, e sempre que podemos, frequentemente, nos reunimos os 4 para jogar pôquer.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



ME VINGUEI DO MEU MARIDO E MINHA IRMÃ COM 5 ESTUPRADORES

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

Olá, vou me apresentar aqui como Dayse, tenho 37 anos e casada a 22, pele branquinha, e modéstia a parte sou muito bonita de rosto e de corpo apesar de já ter 2 filhos 21 e 19 anos, pois desde menina que faço academia no mínimo 2:hs por dia, pois bem como devem ter notado me casei muito cedo com pouco mais de 16 anos de idade, na verdade engravidei do meu primeiro namorado que é 12 anos mais velho do que eu que aqui vou chamar de Eduardo, oque na época deu um maior reboliço e fomos obrigados a casar, mas não me arrependo pois vivo muito bem, meu marido é um empresário bem sucedido, o problema que adoro sexo e como não tive outras experiências sexuais, ou melhor não tinha, vivia muito reprimida, tinha uma vida sexual ativa com meu marido, porém muito trivial, e por isso nem sempre ficava saciada, para ter uma ideia até o sexo oral era limitado, por exemplo ele nunca gozou na minha cara e nem na boca, muitas vezes depois de transarmos eu ia no banheiro enfiava o dedo na buceta melava de sua porra e colava na boca pra sentir o gostinho de porra e com a outra mão batia uma siririca pra poder gozar, no cu nem um dedinho eu ganhava só o meu, uma vez em tom de brincadeira falei que sonhei que transava com ele e outra mulher, quase que ele teve um troço imagine com outro homem, e assim eu conformada ia levando a vida, visitando em sites de vídeo pornô batendo minhas siriricas e imaginado vivendo aquelas situações dos vídeos. Mas tudo mudou recentemente, tenho uma irmã que é 14 anos mais nova e tão linda quanto eu apenas um pouquinho mais baixinha, tenho 1,69mts e ela 1,65mts olhos claros peito fartos (chamaremos de Manuela), cintura fina e bunda redonda, que mora comigo desde que tinha 10 anos criada junto com meus filhos como se fossem irmãos por mim e meu marido, certa vez notei que ela vinha ganhando muitos presentes e coisas de valor e numa conversa franca com ela perguntei se era garota de programa, ela disse que nãoque estava tendo um caso com um homem mais velho e casado, que eu não me preocupasse que iria apenas aproveitar um pouco o velho babão, rimos um pouco e a conversa foi mudando de assunto, um dia passando em frente ao quarto dela ouço ela no celular e noto pelo tipo de assunto que ela estava falando com seu coroa, e que o mesmo tinha uma surpresa pra ela, ela insistia pra ele dizer mas ao que parecia ele estava relutando e marcaram de se encontrar mas tarde, naquele dia quando estou voltando da academia passo justamente no local onde haviam marcado o encontro, como a curiosidade era grande parei meu carro num ponto estratégico em que podia ver sem ser notada e fiquei esperando pra ver quem era a pessoa que iria se encontrar com ela, passado pouco mais de 5 minutos vejo um carro parando e de imediato reconheço, era o meu marido, fiquei sem ação, mas depois do susto passado peguei o carro e fui atrás deles, com cuidado para que não notassem até entrarem num motel, o desgraçado nunca tinha me levado num motel, dizia que tinha nojo dos lençóis e isso e aquilo, fiquei ali sem saber o que fazer, pensando na situação, voltei pra academia pois enquanto malhava sempre pensava melhor, uma coisa eu sabia, não queria perder o meu marido, meu conforto minha família a vida que eu levava pra aquela putinha, tinha que acabar com aquilo e me vingar de alguma forma dos dois, perdida em meus pensamentos se aproxima de mim um rapaz que malha na academia e que vive me cantando, aliás, dá em cima de todas as mulheres da academia, vou aqui chama-lo de Guto, um tipo canalha, bandido barra pesada, um verdadeiro chá de cadeia, mais muito bonito, sarado, desses que acham que seuo corpo é o mais bonito e perfeito do mundo, que vive se olhando no espelho, e o pior é que ele é gostoso mesmo, o caráter não vale uma ervilha mas é deixar qualquer mulher sonhando, eu mesma já dei muito para o meu marido imaginando que era ele, senta na bicicleta ao meu lado vindo com suas gracinhas “você hoje tá matando, chega a ser um pecado tudo isso para um homem só” embora eu não dê liberdade ele é do tipo que não respeita ninguém, cantatodas na maior cara de pau, e comigo o atrevimento sempre foi maior, eu tinha até medo de um dia ser violentada por ele, mas nesse momento tive uma ideia, parei de pedalar, empinei mais a bunda no assento da bicicleta e com um sorrisinho bem sacana falo que tenho uma proposta pra ele, olho ao redor vejo a turminha dele um pouco mais afastada com sorrisinhos na cara esperando que eu dê aquele velho fora que sempre, mais ao contrario disso dou uma piscada de olho pra eles e mando um beijinho, ficam todos com cara de espanto e digo a Guto que a proposta era pra ele é seus amigos e que rolava uma graninha legal, ele já curioso pergunta qual é o lance, então explico que quero me vingar de minha irmã e meu marido que estão tendo um caso, quero ser currada junto com minha irmã pelos 5 na frente do meu marido, ele espantado pede pra eu confirmarse ele tinha escutado direito, que eu iria lhe pagar pra ele e os 4 amigos me comer junto com minha irmã, tento fazer cara de ingênua e digo que sim isso mesmo, e ainda espantado me pergunta quanto, quando e como, eu lhe digo que em breve que deixasse que iria providenciar tudo, combino o valor com ele que aceita de imediato, e já se achando dono da situação tenta me tocar, o que dei um freio na hora, disse-lhe que me aguardasse e poderia fazer comigo tudo o que quisesse mas ali eu tinha que manter o respeito. Ele balançou a cabeça dizendo tudo bem, me fitou por um bom tempo como se estivesse analisando cada parte do meu corpo e foi ao encontro dos amigos que após um zum zumzum me olharam sem acreditar no que o amigo havia dito, aproveitei pra provocar um pouco mais e passei a língua nos lábios vagarosamente e mandei outro beijinho pra eles, saí dali rapidamente antes que eles se empolgassem demais e me pagassem ali mesmo, fui pra casa arquitetando tudo, na verdade confesso que havia visto isso num filme pornô onde um cara presenciava a esposa e amante sendo violentadas, cheguei em casa agi normalmente, mas tarde quando minha irmã chegou dei uma de inocente e perguntei porque ela estava tão radiante, então me disse que teve uma tarde de muito sexo com o seu coroa e me mostrou o anel que ele havia lhe dado, confesso que tive que ter muito sangue frio pra não voar no pescoço dela, aquela puta safada estava me roubando em todos os sentidos, mas disfarcei e me segurei, a família toda chegou inclusive meu marido, jantamos e quando fui dormir meu marido partiu pra cima de mim com uma sede daquelas, então reparei que ultimamente ele estava me procurando com mais frequência e com mais pegada, embora ainda fosse aquele sexo digamos tradicional, mas puxando pela memória notei que era nos dia que eu achava que minha irmã se encontrava com seu amante, e percebi que aquela puta estava fazendo bem ao meu casamento, mas nem por isso iria deixar barato, passado uns dias num final de semana que meus filhos não estariam com agente pois iam viajar com as namoradas, então achei perfeito e sugerir ir nos 3 para a nossa casa de praia, o que foi de imediato aceito, procurei o Guto e acertei tudo, e entre muitos detalhes pedi duas coisas, uma que fossem mascarados e usassem camisetas de manga pois como eram tatuados podiam ser reconhecidos, não queria que meu plano fosse descoberto por nada, e outra coisa é que poderiam fazer tudo comigo e minha irmã menos que nos obrigassem a transar uma com a outra, apesar de ser uma das minhas fantasias eu não queria que fosse com minha irmã, pelo menos naquele momento.
Chegado o final de semana, partimos na sexta feira a tarde, a noite saímos pra jantar em um restaurante no centro, e quando cheguei em casa disse que iria tomar um remédio e dormir pois achava que o vinho que bebi tinha me dado dor de cabeça, me despedi dos dois que continuaram conversando na varanda, fingi tomar o remédio e me dirigi ao quarto, já imaginando o que iria acontecer vi quando meu marido chegou no quarto para conferir se eu estava dormindo, fingi que estava num sono profundo, ele me cobriu fechou a porta e desceu as escadas, então me levantei e bem devagar abri a porta e fiquei escondida no alto da escada para ver o que já esperava, eles estavam deitados no tapete da sala no maior amasso, ela com a saia levantada e a calcinha na canela e ele com o calção arriado, enquanto ele enfiava os dedos com vontade em sua buceta ela batia uma punheta em seu pau, em seguida mudam de posição e ficam no velho 69, após alguns minutos ela gemendo baixinho diz que está gozando, então ele se levanta coloca ela de joelhos enfia novamente o pau em sua boca e começa um vai e vem frenético, ela se engasga um pouco ele dá uma paradinha e novamente começa a socar ela com a vara, ela começa a massagear o saco dele, ele anuncia que vai gozar e segura a cara dela impedindo que ela tire o caralho de sua boca e goza alucinadamente, eu não sabia o que sentia se raiva por ele fazer aquilo com ela e nunca comigo ou tesão pelo que tinha visto, o certo é que vendo aquela a cena fico com as mãos dentro da calcinha alisando minha buceta e mesmo sem gozar saio de fininho pra não ser percebida e vou para o meu quarto, passado um certo tempo meu marido chega no quarto eu fingindo um sono profundo estou descoberta com a bunda pra cima, ele se aproxima tira minha calcinha e me pega por traz enfiando aquela vara em minha bucetinha que estava toda molhada, não sei como ele não se tocou disso ou então achou que era seu pau que ainda estava melado o certo é que ele enfiou de uma vez sem dó e sem piedade ficou ali socando até gozar me enchendo de porra e depois caiu de lado pra dormir, eu fingindo está acordando olhei pra ele e disse “Homem o que foi isso, tava na seca foi?” dei um beijinho no rosto dele e me virei para dormir, é realmente minha irmã estava ajudando o meu casamento. Na manhã seguinte ao tomarmos café os dois agiram normalmente, eu disse que iria ao centro e perguntei se alguém queria vir comigo, cada um deu uma desculpa esfarrapada então disse que só voltaria no final da manhã, peguei o carro do meu marido pois tínhamos ido num carro só e sai, dei um tempo e estacionei o carro a uns 800mts da casa e voltei a pé pois sabia que aproveitariam da minha ausência para treparem, abri o portão devagar, verifiquei se realmente estavam dentro de casa, e fui entrando com cautela, subi as escada procurando em qual quarto estariam e vi que estavam no meu quarto com a porta aberta talvez para facilitar se eu chegasse de repenteteriam como escutar o barulho do carro, o cretino estava comendo minha irmã em nossa cama, procurei um lugar em que ficasse segura e sem ser vista então fiquei na porta do quarto dos meninos que era ao lado do meu, a posição não era muito privilegiada mas dava pra ver alguma coisa e ali onde estava tinha como eu correr pra dentro do quarto e me esconder, depois de bem instalada fui reparar na cena, ela estava sentada em cima dele cavalgando em seu pau enquanto ele mamava em seus peitos, como achava que estavam só não se importavam e ficam falando coisas obscenas um com o outro, depois de um tempo ela sai de cima dele e começa a chupar o caralho dele enquanto ele fica tateando suas costa indo até a bunda e enfia o dedo que a principio na posição que estava não dava pra ver se era na buceta ou no cu mas acho que era nos dois, então ele sai daquela posição e vai pra trás dela e nessa hora fui privilegiada pois na posição que eu estava deu pra ver claramente ele lambendo o cuzinho dela, deu umas cuspidinha no anel rosado, depois enfiou o dedo molhando bem aquele cuzinho, cuspiu na cabeça da pica e foi aos pouco enfiando nela, que ia rebolando ajeitando aquela pica, que não era nada de extraordinária mas também não era pequena em seu rabo, depois de toda enfiada então ele começou o vai e vem numa velocidade incrível, logo penseifilho da puta em mim nem um dedinho enfiava e estava ali na nossa cama deflorando a minha irmã, ela gritava que estava gozando e pedia pra ele gozar, encher a aquele cu de porra, ele ficava dando fortes tapas em suas nádegas que ela sendo muito branquinha ficava toda vermelha então ele segurou forte em suas ancas e anunciou que ia gozar, quando eu o vi tirando aquele pau todo melado de seu cú não resistir e sai dali fui direto para banheiro que fica próximo a piscina e bati uma siririca enfiando quase a mão toda no meu cu e na buceta até gozar loucamente. Depois de saciada fui saindo antes que me descobrissem e fui ao encontro de Guto que já estava na cidade a minha espera, eu precisava definir se ia adiante com os planos ou não, eu não sabia mais se deseja o estupro por vingança ou por excitação de transar com tantos homens, minha única preocupação era minha irmã, será que eu não estava pegando muito pesado com ela? Como ela ira reagir a tudo isso? Mas ao lembrar que ela vinha me fazendo de besta e ainda me mostrando as coisas que meu marido comprava pra ela, foi me dando a certeza do que tinha que fazer e meu marido ele tinha que ver e saber que eu assim como toda mulher normal gosto de rola.Encontrei-mecom o Guto no lugar marcado, traçamos os últimos acertos de como deixaria o portão e a porta destrancada, lembrei a ele sobre as mascaras e camisetas escondendo as tatuagens e principalmente que eu não iria transar com minha irmã e nem haveria nenhum tipo de violência com ninguém inclusive com meu marido, que podiam foder a vontade com agente, do jeito que quisessem, uma transa sem limites, que tentaria deixar minha irmã relaxada pra não sofrer muito mas que não tivessem pena e a comesse pra valer assim como a mim também, lhe entreguei o dinheiro agendamos o horário pra eles aguardarem já dentro do terreno e que enviaria um sinal pelo celular para o momento exato de invadir a sala, que não entrassem antes do sinal em hipótese alguma, quando já ia saindo ele me agarrou pelos braços e me deu um beijo na boca, levantou meu vestido e enfiou a mão dentro da minha calcinha, na hora levei um susto mas quem tá na chuva é pra se molhar não resistir e deixei ele me tocar, ao sentir meu grelo molhado (restinho da siririca que bati) pensou que era por causa dele e disse “nossa já está assim, você vai o estrago que vou fazer nessa delicia hoje, você vai adorar a muito que desejo você não precisava nem pagar”, e entrando no clima o beijei na boca novamente enquanto ele enfiava logo dois dedos na minha buceta me dando uma tremedeira danada, fui no seu ouvido e sussurrei “estarei esperando e quero tudo que tenho direito pelo que paguei”, me soltei dele ajeitei o vestido sai dali com o corpo numa temperatura de mais de 40 graus, ao chegar em casa minha irmã ajeitando o almoço e meu marido dormindo na rede, era muita cara de pau, parecia que nada havia acontecido entre eles, subi para meu quarto e vi que estava sem cheiro de sexo, acho que minha irmãzinha limpou bem para eu não desconfiar de nada, a tarde correu normalmente sem nada demais, a noite preparei a janta com algumas coisas especiais que havia trazido do mercado, tomei umas taças de vinho e fiz questão que minha irmã bebesse comigo enquanto meu marido tomava o seu whisky, fiz uma brincadeira com minha irmã pra ver quem virava uma taça de vinho primeiro, eu estava nervosa tinha que beber pra relaxar e também deixar minha irmã mais solta, não queria deixar ela bêbada apenas um pouco mais leve, tive também o cuidado de não ficar bêbada mas aparentar que estava e depois de muitas risadas as 20:30hs na hora marcada com Guto, eu disse aos dois “sei que vocês estão transando, que o velho casado que você falou é o Eduardo, os dois ficaram surpresos e Eduardo quebrou o silencio dizendo que loucura era aquela, que eu tinha bebido demais e eu com a voz já meio séria disse que tinha seguido eles outro dia até o motel e tinha visto ela chupar ele ontem a noite e hoje de manhã ele comendo o cu dela, nessa hora disfarçadamente dei o toque para no celular para Guto e os amigos invadirem a sala, entraram tão bruscamente que até eu me assustei, Guto me segurou colocando as mãos em minha boca para eu não gritar, outro segurouManuela do mesmo jeito e os outros três foram pra cima de Eduardo jogando-o ao chão, depois de todos dominados Guto foi dizendo que tivéssemos calma que não machucariam ninguém, que tudo ficaria bem desde que nos comportássemos, colocaram eu e Manuela sentadas no sofá e amarrarão Eduardo com as mãos para trás sentado no chão no canto da sala, eu fingindo medo no meu papel de atriz disse que levassem o que quisessem mas não nos fizessem nenhum mal, Eduardo foi oferecendo o carro os celulares disse onde tinha dinheiro mas que nos deixassem em paz, Guto deu uma risada e disse “tenham calma não viemos roubar só queremos nos divertir um pouco” e mandou um dos rapazes amarrar um pano na boca de Eduardo e concluiu “meninas sejam boazinhas e tudo vai dá certo”, deixando claro o que eles queriam, Eduardo com a boca amarrada apenas murmurava, Manoela estava toda recolhida no sofá choramingando eu me aproximei ao seu ouvido e tentei lhe acalmar, dizendo pra ela não resistir a qualquer coisa que eles quisessem para não piorar a situação, que independente do que fosse acontecer que ela aceitasse para nenhuma das duas sair machucada, Guto também se aproximou alisando seu rosto e lhe disse“Calma princesa só vamos brincar, prometo que você vai gostar é só não complicar e relaxar” em seguida mandou verificar se Eduardo estava bem amarrado para não querer dá uma de herói depois de tudo pronto nos colocaram ajoelhadas e fizeram um circulo em nossa volta, baixaram seus calções e de imediato surgiram em nossa frente 5 pintos enormes de tamanhos diferentes, alguns ainda mole e outros quase duros, e começaram a punhetare esfregar os pintos em nossos rostos, logo estavam 5 paus duros e enormes para serem abocanhados, eu ainda encenando meu papel de atriz fiz cara de nojo que não chuparia de jeito nenhum mas um deles me segurou pelos cabelos e enfiou o pau na minha boca dizendo “abra a boca sua puta e mama esse caralho com gosto”, naquela hora não tinha como ver Manuela apenas escutava seus soluços e choros mas pelo som também estava com uma vara lhe enchendo a boca, fechei os olhos pra aproveitar o momento e o caralho que estava em minha boca foi substituído por outro tão duro e grande como o primeiro, senti outras mãos rasgando meu vestido e outras tirando minha calcinha, depois alguém vindo por baixo de mim lambendo minha buceta, e quando aquela lingua tocou no meu grelo deixei de lado o restinho de pudor que restava arriei o corpo na cara de quem me lambia e comecei a chupar com todo prazer o caralho que estava em minha boca, na posição que estava não dava pra ver quem me chupava mas tinha certeza que era o Guto pela vontade como lambia minha buceta, abri os olhos tentando ver onde estava Eduardo mas não conseguia pela posição que me encontrava, olhei de lado e vi que Manuela já não chorava mais e que até já estava começando a gostar das linguadas que também recebia, eu era tocada de todos os jeitos os caralhos se reversavam em minha boca e de Manuela, parecia que umas duzentas mãos pegavam em meus seios de uma só vez, em certo momento em que Guto está sendo chupado por Manuela ele tira o caralho de sua boa de deita no chão e me faz sentar nele, nossa aquilo foi uma loucura, tantas vezes transei com Eduardo imaginando aquele caralho, nesse momento lembro de Eduardo e o procuro na sala, vejo ele amarrado no canto da olhando pra mim e quando nossos olhos fitam um do outro, ele vira o rosto, foi demais pra ele me ver com um enorme pau na boca enquanto cavalgava em cima de outro caralho, aquela situação me excita cada vez mais, já nem pensava mais em Manuela eu estava é aproveitando cada centímetro de cada pau que recebia, eles ficavam me xingando de tudo que era nome mas nem prestava atenção no que falavam só queria a gozar, e comecei a gemer e a gritar me soltei de vez e acho que isso também excitou Manuela que também gemia porém de maneira mais controlada, e cada vez que eu olhava pra Eduardo ele virava o rosto não suportando aquela situação, e quando um dos rapazes foi ajeitando minha bunda para enfiar um pau nela, Guto que comendo Manuela manda ele parar e diz “Pare, nessa eu disse que seria o primeiro em tudo, venha comer a lourinha que eu vou pra essa” e saindo de Manuela vem pra traz de mim, enfia seu pau em minha buceta, dou uma rebolada pra sentir melhor aquele caralho e depois de um tempo ele aponta para a portinha do meu cu e vai lentamente empurrando pra dentro, quando sinto aquele caralho me rasgando tiro o pau que está na minha boca mas o dono dele puxa meus cabelos dá uma cuspida em minha boca e enfia novamente o caralho impedindo que fale qualquer coisa, a dor vai se transformando num prazer incrível e aquele pau vai entrando como se não tivesse mais fim, quando sinto o saco e os pentelhos de Guto tocarem em minha bunda, vejo que já o alojei todo dentro de mim, Guto fica parado por um tempo para meu cu se acostumar com aquela invasão e em seguida começa o vai e vem, enovamente procuro olhar para Eduardo que ao contrario das outras vezes nessa ele não tira o rosto quando olho pra ele, pelo contrario está de olhos arregalados vendo aquela cena, eu fico lhe encarando rebolando ao máximo minha bunda pra receber cada pedacinho daquele caralho, olho de lado e vejo Manuela sentada num caralho com outro enfiado no cu e um pau em sua boca, quando novamente mudamos de posição, Eduardo deita de costas no chão eu vou sentando em cima dele enfiando aquela vara no meu cu novamente que a essa altura já o aceita sem preconceito e o rapaz que estava com o pau na minha boca vem pra minha frente e ajeita aquele pauzão na minha buceta, eu não resisto vou gozando a cada estocada que vou levando, Eduardo fodendo meu cu o outro fodendo minha buceta e mamando nos meus peitos, novamente procuro Eduardo que está hipnotizado vendo a mulher que ele tratava como santinha, sem querer me dá o prazer que tanto mereci sendo invadida ao mesmo tempo por duas rolas enormes, e ainda vendo ao meu lado sua putinha com três machos utilizando cada buraco dela, e mas mais uma vez mudam de posição e Guto diz aos três que estavam com Manuela, “venha pra cá vocês dois que agora vou comer o rabo dessa lourinha também” e assim fazem Guto e o outro que estavam comigo vão pra Manuela e os três vem pra me usarem um na buceta, outro no cu e o outro na boca, ficam fazendo o rodizio cada um num canto mas sempre me deixando com a buceta, o cu e a boca com uma rola, eu já estava pra lá de Bagdá quando Guto deixa Manuela e põe o pau minha boca novamente e depois de algumas estocadas enche minha boca com sua deliciosa porra, no mesmo instante sinto um jato de porra inundando minha buceta, o que estava enfiado em meu cu acelera os movimentos e também goza me apertando na cintura com tanta força quase enfia os dedos em minha pele, todos caem de lado olho pra Manuela que também já havia terminado e ela vemem minha direção como se estivesse pedindo proteção e ficamos ali abraçadas, ambas meladas de porra por todos os lados, e os rapazes na maior algazarra rindo se vangloriando das trepadas que deram e dizendo que éramos duas putas deliciosas, que sabíamos foder pra valer e satisfazer a 5 homens ou até a mais de uma vez só, Eduardo se aproximou de nós e disse “tá vendo princesas foi só relaxar e todo mundo se divertiu” é um deles então diz “E o tio? que vamos fazer com ele?” nessa hora me deu um calafrio, por mais mau caráter que Guto fosse tínhamos combinado de não fazer qualquer tipo de violência com Eduardo, de repente me passou pela cabeça que poderiam querer enrabar Eduardo, iria estragar tudo, tinha sido tão gostoso, olho pra Eduardo o recriminado e ele diz “ é mesmo o tio nem participou da festa, arranquem a roupa dele” , tento uma reação mas Eduardo me segura, e em seguida diz “vocês duas vão lá e façam uma chupeta bem gostosa no tio” respirei aliviada puxei Manuela e começamos a mamar aquele pau que conhecíamos bem, no começo Eduardo estava tenso mas depois não resistiu aquele boquete duplo e seu pau logo endureceu, os rapazes fazendo a maior algazarra, e eu Manuela punhetando e chupando o pau de Eduardo quando sinto alguém me ajeitando pra me comer novamente, olho pra trás vejo que é Guto se alojando no meu cu e sussurra em minha orelha “acho que ainda tenho um pouquinho de porra pra encher esse cu” e enfia o pau de uma só vez me fazendo delirar, e dando tapas na minha bunda manda eu dizer que sou uma puta adoro chuparo pau do marido com outra rola no cu, e ameaça “diga senão vou encher sua cara de porrada”, então atendo seus pedidos fingindo está com medo mas na verdade estava me deliciando, vou repetindo tudo que ele pede pra eu falar, a essa altura já tinha outro também comendo Manuela novamente só não sei em qual buraco, Guto ia socando seu pau em meu cu cada mais forte, Eduardo quase em transe começou a gozar espirrando aquela porra entre me rosto e de Manuela que em seguida deixa Eduardo pra se dedicar ao rapaz que estava lhe comendo até ele gozar, e eu pela primeira vez vou sentindo o gosto da porra do meu marido diretamente na fonte me deliciando com cada gotinha então Eduardo me segura com força pelos cabelos e goza em meu cu aos gritos de delicia.
Depois de certo tempo foram embora ficando só nós três analisando a situação, Eduardo queria que fossemos a delegacia prestar queixa, eu disse que eles não tinham roubado nada não iria pois não queria me expor, Manuela ainda estava assustada mas concordou comigo, Eduardo se espantou quando lhe disse que na verdade tinha achado aquilo uma delicia, que agora estava me sentindo uma mulher realizada, e que tudo aquilo que fizeram comigo eu agora fazer com meu marido, que só dependia dele o nosso casamento. Ele disse que me amava e pediu perdão pelo que tinha feito e por não ter conseguido me proteger, ficamos numa boae convidamos Manuela a se mudar de nossa casa o mais rápido possível e arrumar outro velho pra depenar porque aquele era meu.
Peço desculpas se fui muito longa, mas quis narrar fielmente ao que aconteceu.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



Na Reforma da casa, trepei com os Pedreiros

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

Oi pessoal, estou escrevendo esta história por incentivo de uma amiga que gosta de contar as suas história aqui e insistiu para eu contar a minha, vou me apresentar como Suzy tenho 26 anos, 1,65mts cabelos longos (hoje louros mas já teve outras cores..rsrs) seios de médios para grande, bunda redonda e pernas grossas, e sei que sou muito gostosa pois eu faço questão de manter tudo em cima, com exercícios em academia, corridas, bicicletas e alimentação saudável, e desde os meus dezesseis anos que adoooro fazer sexo, já fiz de quase tudo, já transei com outra menina, ou então eu uma amiga e um amigo, outra vez eu com um ex-namorado e outro casal de amigos e trocamos os parceiros, mas nunca tinha transado com dois homens ou mais ao mesmo tempo até alguns meses atrás.
Me formei em Engenharia Civil no final do ano passado, e meu pai me pediu que ficasse a frente da reforma de nossa casa de praia que a muito estava precisando, e passado o período de carnaval começaram as obras colocando a casa no chão por quase completa, eu toda empolgada me dedicava ao máximo na tarefa, contratamos um mestre de obras que nos indicaram (vou chama-lo de Júlio) um rapaz de mais ou menos 45 anos moreno claro, muito simpático e respeitador, no principio eu só ia nos finais de semana na obra, na nossa rua tem uma pousada e eu me hospedava nela para poder acompanhar a obra, como disse o Júlio sempre foi muito respeitador embora eu sabia que disfarçadamente ele e também os cinco rapazes que trabalhavam com ele ficavam me secando,sempre fiz questão de me impor para não acharem que por eu ser mulher e novinha podiam ter qualquer tipo de intimidade comigo. O tempo foi passando e no mês de agosto sai de férias e fui passar duas semanas na pousada para acompanhar melhor obra que já estava no fim,certo dia eu tinha ido a praia e com a roupa que estava fui na obra, vestia apenas uma toalha de praia enrolada na cintura cobrindo a calcinha fio dental do biquíni e na parte de cima só o sutiã do biquini, como com o passar do tempo já conhecia bem os rapazes e não via problemas ir assim, num certo momento eu estava num cômodo onde dois rapazes colocavam uma luminária de uma maneira que eu não estava gostando, pedi que descesse da escada que eu ia mostrar como queria, subi na escada e quando levantei os braços para colocar a luminária no teto, minha toalha caiu e eu fiquei só de biquíni, na hora eles ficaram paralisados olhando para meu corpo principalmente para minha bunda que estava na altura de seus rostos, mas não falaram nada e eu fingindo naturalidade mostrei como queria que colocassem a luminária dei mais algumas orientações desci a escada peguei minha canga me vesti e sai, fui para a sala ao lado verificar uma outra coisa, só que eles não perceberam que eu ainda estava perto e começou os comentários:
– Cara que baixinha gostosa, tu viu aquele rabo? Disse um deles
– Meu irmão se eu pego uma mulher dessa é como se ganhasse na mega sena. disse o outro
– Se eu todo dia bato uma punheta pra ela, é hoje que vai ser duas só pensando naquele cú.
Quando ouvi estas coisas levei um susto e fiquei sem ação, mas depois achei graça de tudo e fiquei ainda ouvindo mais algumas coisas que falavam sobre mim e após um tempo saí para não me notarem ali.
Quando cheguei na pousada fiquei refletindo sobre o que escutei, rindo de tudo que houve e principalmente por saber que era homenageada por eles em suas punhetas, lembrei de uma professora que tive que dizia que quando queria saber se ainda era gostosa passava perto de uma obra para atiçar os peões.
Depois desse fato comecei a ir na obra com roupas mais provocantes, mantendo o respeito para não dá bandeira mas presenteando um ou outro com um lance de peitinho, uma empinada de bunda e até um lance de calcinha. Estas coisas estavam me excitando mais eu ia controlando bem.
A obra terminou e Júlio foi me mostrando tudo que tinha feito, acertamos que meu pai viria no outro dia fazer o pagamento final,todos inclusive Júlio eram do interior e no outro dia iriam embora
A noite fui dá uma voltinha na praça e quando retornei Júlio e os rapazes estavam na frente da casa bebendo e comendo churrasquinho me aproximei deles e fiquei conversando, conversa vai conversa vem um deles me diz:
– Dra. Se a senhora fosse homem eu lhe oferecia uma dose de pinga.
Eu lhe respondi que mulher também bebe e mandei colocar uma dose pra mim, peguei um pedaço de carne para tirar o gosto e tomei de uma vez só aquela lapada de cachaça, foi uma algazarra e muitos aplausos, com elogios com frases tipo “essa é das nossas” e ficamos alinuma conversa tola, eu dizendo que é comum acharem que algumas coisas só homem podem fazer mas que hoje em dia não tem mais isso e blábláblá quando um deles diz uma coisa que quando me lembro até hoje morro de rir, não por se engraçado mas pela bobeira que é e como foi o estopim para tudo explodir.
– Mas tem uma coisa que 6 homens podem fazer ao mesmo tempo e 2 mulheres não fazem juntas, é mijar no pinico. Caímos na gargalhada e Júlio me olha e diz:
– Mas tem uma coisa que não é toda mulher que consegue,tem que ser especial. Ficou aquele silencio e ele concluiu.
– Dá prazer a 6 homens de uma vez só.
Arregalei os olhos sem acreditar no que ele tinha dito, afinal sempre me respeitou, mas não sei se por efeito da cachaça eunão o recriminei até entrei na brincadeira e lhe disse:
– Mulher só tem prazer com homem que tem pegada forte e a cachaça as vezes deixa tudo mole. Achei que assim iria cortar o barato deles mas Júlio se aproxima e diz:
– Mole nada,veja como a senhora deixa ele duro. E encosta seu pau duro feito uma pedra minha coxa.
Outro encosta em minha bunda e fala em meu ouvido:
– Ele agora só fica mole depois que eu arrombar e gozar nessa bunda. Fiquei ali apavorada achando que tinha ido longe demais, que seria estuprada, surrada enfim até morta, quandoJúlio conclui:
– só vamos fazer se a senhora deixar, se não quiser pode ir embora na boa, nada aqui é forçado. Fiquei parada com aqueles 2 caralhos encostados em mim olhei para os outros 4 que estavam babando doidos para me atacarem, ai pensei porque não? O que tinha a perder? Coloquei minha mão dentro do calção de Júlio pegueiem seu caralho e lhe disse:
– Ok, vamos brincar um pouquinho.
Júlio me pegou no colo como se fossemos recém casados e entramos todos dentro de casa, por causa da reforma nossa mobília estava toda guardada num quarto na sala apenas tinha os colchões que eles dormiam, sugeri que cada um tirasse sua roupa pois me alisavam com tanta volúpia que fiquei com medo que rasgassem minha roupa e não tivesse como voltarvestida para pousada, era uma cena engraçada eles arrancando suas roupas na maior agonia e eu bem devagar tirando peça por peça, fizeram um circulo ao meu redor e enquanto me despia passava a mão em caralho depois em outro, quando eu estava completamente nua Júlio me agarrou e me beijou na boca, o gosto forte de cachaça me excitava ainda mais, enquanto sentia varias mão me tocando ao mesmo tempo em todas as partes do meu corpo, meus seios eram massageados chupados e esmagados, minha buceta e meu cuzinho eram invadidos por dedos e línguas, aquilo estava uma loucura, Júlio me soltou e fui descendo minha boca até chegar ao seu pau, dei uma lambida na cabeça e fui até o seu saco, coloquei uma das bolas na boca e depois a outra, fui lambendo toda extensão do pau até chegar na cabeça novamente e abocanhei aquele mastro pulsante, enfiava até o fundo da garganta até os pentelhos roçarem no meu rosto e tirava da boca, fiz algumas vezes e depois fui para outro pau fazer a mesma coisa, fiquei nessa brincadeira revezando aqueles caralhos na minha boca quando o mais novo deles acho que tinha no máximo uns 19 anos encheu minha boca de porra, os outros ficaram tirando sarro da cara dele dizendo que ele era fraquinho que a festa nem tinha começado ainda, só que ele gozou mas seu pau permanecia duro dentro da minha boca como se nada tivesse acontecido, eu o lambia todo e fui engolindo gota por gota daquela porra, Júlio me colocou de 4 e foi lambendo minha buceta e meu cuzinho, alguém pegou minha mão e colocou em seu caralho tocar uma punheta, outro chegou e colocou também o caralho na minha boca e me fazendo chupar os dois ao mesmo tempo, cada lambida que recebia na bucetinha e no cuzinho me fazia vibrar, Júlio se ajoelhou e enfiou o caralho na minha buceta, ficou me comendo por um tempo quando saiu veio outro para me comer buceta, cada um veio e me comeu um pouquinho até que um deles acelerou o vai e vem me apertou com força jorrou sua porra toda dentro de mim, enquanto os outros riram ele tirou o pau já amolecido e disse que ia se recuperar e querer mais, sinti alguém dando uma cuspida no meu anel e em seguida um pau se ajeitando para penetrar, passo meus dedos em minha buceta melando bem eles depois levo até meu cu para lubrificar e me preparo para receber aquela vara, que entra como se estivesse me rasgando, ele nota que está doendo e vai mas devagar para que possa relaxar e permitir sua entrada, depois do pau todo acomodado começa a socar com violência, quando penso em falar alguma coisa oque havia gozado na minha buceta enfia o pau na minha boca e sou obrigada a chupar, depois de um certo tempo meu cuzinho já aceita aquela rola deliciosamente e fico rebolando gozando naquele pau, que em seguida ele sai e recebo outra vara que já entra com facilidade, meu cu vai levando um pau a trás do outro, Júlio se deita no colchão e me faz sentar em seu pau comendo minha buceta, outro rapaz enfia novamente o pau no meu cuzinho e os outros me atacam onde podem, as posições vão variando eu fico submissa deixando aqueles homens me usaram como querem aos poucos vou recebendo jorradas de porra em todos os cantos, na buceta, no cu, na boca, no rosto, e cada um vai saindo de mim saciado e realizado.
Foi uma noite inesquecível, no outro dia quando meu pai chegou, inventei uma desculpa e não fui com ele fazer o pagamento dos rapazes, não estava com coragem de olhar para eles, apenas pedi ao meu pai que além do valor acertado dá a cada uma boa gratificação e dissesse que era um agradecimento meu.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



A Primeira Vez de Clarisse

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

Bom… Nao vou me extender a apresentações, sou branco 37 anos, corpo normal.
Tudo começou em Osasco Sp, tinha eu meus 12 anos e passava férias escolares na casa de meus tios.(Laura e Francisco). Sempre ia pra la pra brincar com meus primos, LIa, de 14 Theo de 11 e Clarice de 15.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit



Casamento do Alex – Parte III – A Festinha Particular dos Padrinhos

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit

A última parte da minha história sobre o casamento de meu amigo Alex conta o final daquela semana provocando os padrinhos e deixando todos malucos.

No dia seguinte ao da despedida de solteira da noiva foi então celebrado o casamento. Todas as madrinhas vestiam vermelho. Eu fui com o cabelo preso em uma trança lateral presa à direita, um vestido vermelho longo e sem muitos detalhes, aberto nas costas até o comecinho da minha bunda, então quem olhava de cima podia ver quase tudo e decotado em V na frente, mostrando quase tudo também. Maquiagem caprichada, um colar maravilhoso que ganhei de presente do Carlos. Estava toda cheia de vontade de transar depois das inúmeras gozadas na noite anterior.

Levei junto comigo a máscara que usei na despedida de solteiro do noivo.

Chegamos ao casamento e todos já estavam lá. Só faltava a noiva. Entrei com a máscara no rosto, para o desespero dos padrinhos.

Quando chegamos ao altar e fomos cumprimentá-los, as madrinhas todas loucas de vergonha, e os padrinhos todos com as calças recheadas, sabendo finalmente que eu era a putinha da despedida de solteiro. Durante todo o casamento eles davam um jeito de falar comigo escondido e tentar tirar uma casquinha. Provoquei mais ainda, agarrando todos nos momentos das fotos, me exibindo toda rebolando dentro daquele vestido revelador.

O jantar foi depois da cerimônia e os padrinhos tinham uma mesa só para eles. Sentamos todas as meninas de um lado e os rapazes, Carlos, Alan, Marcos e Augusto do outro. Todos me comiam com os olhos. Durante as conversas na mesa, Marina a namorada do Alan me perguntou como eu fazia para usar um vestido tão justo e não marcar nadinha.

– Não uso nada por baixo. – Respondi sem pensar duas vezes.

Todos arregalaram os olhos, Leda chegou a engasgar.

Depois de passada a festa e de dançar rebolando e me esfregando com todos eles e até com as outras madrinhas na pista de dança onde as luzes eram menos intensas, o casamento seguia para aquela parte onde os beberrões e as encalhadas começam a perder o prumo.

Nessa hora as madrinhas foram retocar a maquiagem para o momento de pegar o buquê e eu fiquei na mesa com os rapazes porque não queria participar. Mal elas saídam da mesa e os quatro formaram um círculo ao redor de mim, no escurinho onde ficava nossa mesa.

Todos queriam dar umazinha comigo de algum jeito, todos de pau duro ali querendo a putinha deles que judiou deles a semana toda.

Pedi para tirarem seus paus pra fora e acariciei um a um, tomando cuidado com as pessoas que passavam. Marcos tinha um pau negro delicioso e cabeçudo que me encantou, Carlos com aquela tora grossa já me deixava molhada só de imaginar, e ainda tinha os outros dois que não eram pequenos.

– Ah rapazes, eu daria pra vocês 4 agora se tivéssemos um lugar com privacidade. – Falei na intenção de provocar mais um pouco.

– Eu conheço um. – Disse Alan, o irmão do noivo que morava alí.
– Meu quarto é no alto do casarão, tem muito espaço e tem isolação de som por causa da bateria. Ninguém nos acharia lá!

E então eles me convenceram. Foram na frente e eu os segui.

O quarto era uma suite enorme, com um tapete circular no centro e uma cama King Size no canto. Tinha muito espaço. Eu fui direto para o banheiro, soltei meus cabelos e tirei o vestido, ficando peladinha, com cara de putinha, bem como eu queria.

Quando saí do banheiro eles já estavam todos pelados, de pau duro me esperando. Não me aguentei de alegria e engatinhei de quatro até eles, bem cachorrona, rebolando bastante.

Chegando na frente deles, fiquei em pé e beijei a boca de cada um enquanto acariciava seus paus, um a um, até ficar no meio deles.

Várias mãos começavam a me pegar, apertar, tapinhas na bunda, dedos sendo enfiados e tudo mais, me enlouquecendo enquanto eu acariciava os paus deles alternadamente.

Um deles me mandou ficar de joelhos e eu obedeci, então veio Augusto e parou na minha frente, puxou minha cabeça em direção ao seu pau. Abocanhei na hora e comecei a chupa-lo enquanto acariciava os outros dois que estavam à sua direita e esquerda.

Senti alguém passar por trás de mim. Era Marcos que roçava sua pica enorme no meu rosto enquanto eu chupava os outros dois. Me deixando cercada.

Virei e chupei Carlos, alternando entre os paus que estavam na minha mão, depois Alan e por último caí naquela pérola negra maravilhosa. Não cabia nem a metade na minha boca, mas ainda assim eu tentava engolir e me afogava.

Senti uma mão masturbando meu cuzinho e minha bucetinha e fiquei de quatro pra facilitar.

Alam veio e penetrou minha bucetinha de quatro enquanto os outros três ficaram na minha frente pra que eu pudesse chupa-los. E lá fui eu, mamando e lambendo as bolas deles enquanto aquele gatinho gostoso me fodia por trás.

Ele trocou de lugar com Augusto e depois com o Carlos, deixando novamente o melhor para o final. A cada vez que eles revezavam comentavam o quanto eu era puta e o quanto eles iam me foder pra eu aprender a nunca mais provocar os padrinhos de um casamento. Eu respondia que era isso que eu queria, muito pau, muita foda e queria que me fizessem gemer bem alto.

Quando Marcos enterrou seu pau em mim, senti como se um trem estivesse me comendo, gemi alto e rebolei gostoso enquanto ele entrava e saía de vagar. Gemia chupando o pau dos outros três até que ele começou a acelerar e me foder com mais força, dando tapas na minha bunda e enfiando seus dedos no meu cu. Comecei a delirar e rebolar ainda mais, masturbando dois paus enquanto chupava um. Depois de alguns minutos Augusto gozou na minha boca e em seguida Alan bem no meio dos meus olhos.

Continuei masturbando os dois enquanto Carlos metia seu pau na minha boca e fodia ela enquanto Marcos metia na minha bucetinha, agora com 3 dedos no meu cuzinho e me fazia rebolar e gemer alto feito uma cadela no cio. Não demorou muito e gozei, engolindo o pau de Carlos que aproveitou e encheu minha garganta de porra também. Marcos tirou o pau da minha bucetinha e mirou na minha cara. Masturbei e chupei meu negão gostoso até ele me dar leitinho também.

Mal terminamos essa rodada e Augusto estava deitado, de pau duro me chamando pra montar. Subi nele, mordendo e arranhando seu peito e encaixei a bucetinha no seu pau. Ele apertou minha bunda e começou a mamar nos meus seios enquanto eu rebolava e ele metia seu pau em mim. Mal eu tinha começado a gemer, senti dois paus perto do meu rosto e comecei a chupar Marcos e Carlos enquanto Alan vinha por trás e metia seu pau no meu cuzinho.

Fui ao delirio! Quatro machos só pra mim e fazer DP era um sonho! Comecei a gemer e rebolar mais enquanto eles metiam forte, sem dó. Marcos e Carlos me davam surra de piroca e faziam com que eu chupasse até me afogar entre gemidos e aquelas rolas grossas. Alan deitou-se no tapete e eu subi no pau dele para dar a Augusto a chance de meter no meu cuzinho. E continuamos assim até que Augusto disse que queria finalizar na minha boquinha.

Marcos deitou no chão e me agarrou, fazendo com que eu subisse instintivamente no seu pau. Enterrou o pau inteiro na minha buceta e foi seguido por Carlos que veio e meteu no meu cuzinho. Gritei, senti medo, dor e muito tesão! Carlos parou e então eu olhei pra trás e disse: ME FODE! ME FODE TODA!!!

Os dois começaram a meter no mesmo ritmo, eu quase podia sentir seus paus se tocarem dentro de mim, não fosse a pequena membrana que os separava, enquanto eu já estava de boca no pau dos outros dois.

Minutos depois Augusto gozou na minha boca mais uma vez enquanto Carlos e Marcos me dilaceravam com suas pirocas enormes.

Alan segurou firme minha cabeça e penetrou minha boca, deixei a língua pra fora pra facilitar. Eu era penetrada pelos três agora. Ma sentia uma verdadeira puta e sabia que era a mulher que mais estava aproveitando aquela festa. Gozei duas vezes seguidas nessa metida.

Alan encheu minha boca de porra, quando Marcos me mandou virar e sentar no pau dele. Fiz exatamente o que ele mandou, pois sou uma cadela obediente e Carlos assumiu minha bucetinha. vi estrelas quando aquele pau preto entrou inteiro no meu cuzinho, seguido do pau de Carlos que arrombava toda minha bucetinha.

Comecei a masturbar os outros dois enquanto eles me fodiam. Carlos mamava nos meus seios e penetrava forte e Marcos aproveitava meus movimentos pra enterrar seu pau no meu cuzinho. Quanto mais eles metiam mais eu gemia e delirava de tesão. Totalmente entregue, me sentindo uma puta fodida.

Os dois aceleraram as metidas, me fazendo tritar e rebolar feito louca. Gozei mais uma, duas, três vezes seguidas até sentir Carlos apertando meus seios com força a ponto de estoura-los gozar na minha bucetinha.

Marcos levantou-se, me colocando de quatro e começou a foder meu cuzinho com força, dando tapas na minha bunda e puxou meus cabelos pra que eu levantasse o rosto e chupasse os outros três de novo.

– Puta domada, obediente! Adorei! Vou querer muito mais de você Cadela- Esbravava ele enquanto metia. Meteu forte, me rasgando inteira, me fazendo rebolar naquele pau preto gostoso até que gozou no mu cuzinho, me deixando toda preenchida.

Todos ficaram na minha frente e gozaram na minha boquinha, um a um, me deixando completamente fodida e satisfeita.

Todos foram tomar banho enquanto eu brincava com seus paus.

Na hora de sair, Carlos me enrolou em um cobertor e disse a todos que eu havia passado mal, fomos para o carro e fomos para o nosso hotel, onde ele me deu banho e cuidou de mim a noite toda.

E assim acabou o casamento do Alex, onde eu fiz mais contatos e arrumei mas alguns comedores, inclusive Marcos que ainda tirou muita casquinha de mim depois.

Beijos e lambidas!!!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Reddit